quarta-feira, 22 de setembro de 2010

A Arte da Carona


Hoje é 22 de setembro de 2010. Dia Mundial sem carro.
Na minha Cidade Curitiba, batemos vergonhosos recordes de vendas de carros e números de veículos por habitante.

Tinha um compromisso na Reitoria, que fica no centro da cidade. Eu acordei, me arrumei, tomei café e no ponto de ônibus pedi carona. (Carona: transporte gratuito em veículos de terceiros)

Depois de 10 minutos e uns 20 carros, muitos com apenas o motorista dentro, a boa alma chamada Celso que trabalha na Secretaria de Cultura do Paraná, bem solicito, parou e deu carona. Chegou a oferecer o numero de telefone caso precisasse de novas caronas. Nesta manhã, entre risos, "jóinhas" e caras de espanto lembrei que existem aqueles que prezam pela boa educação e a gentileza, que nos é fundamental.

Bom seria estimular a cultura da carona. Sistemas identificáveis ou rastreáveis de onde pegar carona, quem seriam os envolvidos, etc.

Diferentemente, no Dia Mundial Sem Carro, a prefeitura de Porto Alegre lançou uma campanha para estimular a carona na cidade. O objetivo é reduzir número de veículos nas ruas e o impacto ambiental da poluição causada pelos carros. Segundo a EPTC, o projeto "Carona Legal" será levado para dentro de empresas e organizações. (Jornal Zero Hora - POA 22/09/10)


Segue lista de sites de caronas pelo Brasil:
- Unicaronas
- Carona Segura
- Carona Brasil
- Caroneiros

Nota do DCE UFGD, que solicitou a reitoria a construção do Ponto de Carona, após reunião com reitor, ficou acordado de ver as possibilidades técnicas da obra.

Um exemplo de site carona na Alemanha:
http://www.mitfahrgelegenheit.de/

Aproveito ainda para apresentar o site americano Ride the City que aponta lojas de bicicletas e locadoras. Além das melhores rotas de bike em Nova York

O besouro de lata isola e aliena.(na bíblia tem uma passagem bacana que diz que os animais rastejantes de 4 patas são impuros... só para contextualizar e inspirar).

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Evoke





no
http://www.flickr.com/photos/galeria_ludica/5008902400/in/photostream/



Para Evoke Eyewear (Optical Art Culture) Evoke Art Gallery, sábado dia 18 de setembro.EVOKE na Galeria Lúdica em Curitiba.

Diferencial competitivo


De acordo com o professor Japonês Nagasawa, Tadanori da Musashino Art University e autor de "The Intangible Era - a vision for the design-oriented society", é possível prever que em um mercado globalizado, o maior diferencial competitivo para posicionar marcas, produtos e serviços, será a individualidade, originalidade e inovação eficaz, pois esses valores são exclusivos dos produtores. 
Este mesmo professor ainda sustenta um termo chamado "japanesque", mais do que uma entusiasmada nova marca japonesa,  que une cultura, design e estética com tecnologia avançada trazendo valores que enrriquecem a vida contemporanea.



"Launched in October 2006 as a nationwide campaign and encouraged by the Japanese Ministry of Economy, Trade and Industry (METI), Japanesque Modern strives to be a national movement, enhancing Japan's brand image while promoting continuous industrial innovation. Japanesque Modern represents Japan’s past, present, and promise for the future."




Uma coleção de produtos e serviços contemporâneos com critérios baseados nos valores espirituais japoneses para sua função, estética ou simbolismo.
A junção do artesanato e tecnologia se encaixam no "mundo moderno", e também traz vantagens competitivas internacionais para a indústria Japonesa, conferindo ainda um alto contexto cultural.

domingo, 19 de setembro de 2010

Manifesto

Compartilho aqui informações relevantes. Verdadeira inspiração, para fomentar o mês da bicicleta.

Na rede estabelecida pelo “Arte bicicleta e mobilidade”, estão soluções que não necessitam de uma estrutura absoluta e monetária para provocar mudanças de comportamento que tornem a vida mais proveitosa, à melhorar as saúdes: física, mental e intelectual. Portanto a internet atende as espectativas de distribuir como uma cascata mais esse manifesto.

Um artigo recente da Universidade de Oxford, nos Estados Unidos, sobre obesidade e mudança de comportamento, defende a idéia de que um pessoa com identidade potencial que parte de vínculos sociais, reconhece e define autonomia e individualidade, limitações no espaço onde vive e ainda influencia comportamentos individuais alheios.

Através da rede em prol da mobilidade, com pretensão de ser potencialmente eficaz, este manifesto reforça o contexto do mês da bicicleta. Esta intervenção direta, dinamiza o ambiente caótico e aleatório de maneira sustentável, incorporando valores subjetivos a promoção de bons hábitos, listando uma série de características individuais e ambientais relacionadas ao uso e benefícios a saúde da bicicleta na cidade;

Educação e saúde, são problemas de todas as pessoas, se estendem ao contexto ecológico e sua ambientação, influenciados por padrões individuais, das redes sociais e do ambiente.

Tais padrões individuais e ambientais, interagem no estilo de vida adotado por cada um, contribuindo para a formação do argumento cosmopolita, onde o tempo passa a ter uma importância maior do que realmente exerce. Essa super valorização gera um constrangimento medíocre que leva ao consumo insaciável, menosprezando ou ridicularizando comportamentos construtivos que alimentam uma auto imagem positiva que completariam com intervenções físicas para uma melhora de saúde.

Melhorar a qualidade da saúde pública uma cidade como Curitiba, pode estar diretamente relacionado ao hábito do pedalar, um salto de qualidade. No raciocínio que os meios de transporte são máquinas do tempo, já que a aceleração do tempo é inerente ao funcionamento do capitalismo, pois modifica a relação espacial e de tempo ser/estar do humano, a bicicleta é um modal bem próximo ao ser/estar do ser humano solo, pois demanda aplicação da tração humana para mover-se.

Lista-se então benefícios diretas do hábito de utilizar a bicicleta como meio de transporte, gerando melhora da saúde, educação, apropriação de um recurso humano em prol do controle e estabelecimento de limite aos recursos naturais e contexto de cada cidadão:

Redução de automóveis nas vias públicas, liberando espaço físico e diminuindo a poluição sonora e visual;
Redução de emissões poluentes;
Redução do uso desnecessário do solo e do espaço público, como em estacionamentos e áreas de manobra para automóveis;
Redução da produção de lixo, considerando que a vida útil de uma bicicleta é muito maior que a de um automóvel;
Baixo custo de manutenção da bicicleta comparado ao automóvel;
Redução do consumo de energia: são 1100kcal de um automóvel médio contra 22kcal do ciclista. (aqui vale lembrar que 10 minutos de pedalada geram 1 hora de energia para acender uma lâmpada residencial de 60W);
Redução da dependência de combustíveis fósseis;
Redução do peso aplicado nas vias de tráfego, minimizando os gastos na manutenção;
Eficiência de mobilidade, lembrando o ciclista encontra outros meios de prosseguir mesmo diante de um congestionamento ou interrupção do tráfego;
Aumento de prática física, desenvolvendo agilidade;
Aumento da vitalidade, capacidade respiratória e benefícios cardiovasculares;
Ajuda a desenvolver outros sentidos além da visão;
Ajuda a eliminar toxinas através do suor;
Ao liberar endorfinas, o nível de colesterol diminui regularizando os níveis de açúcar no sangue;
Proporciona equilíbrio;
Ser um meio de transporte e de lazer ao mesmo tempo;
Pedalar é muito prazeroso e exige um quinto do esforço de ir a pé (pedalando consumimos 22kcal/km) produzindo ainda a serotonina, hormônio responsável pela felicidade (Quem vai de bicicleta vai mais feliz!) ;
Aproxima da natureza;
Reposiciona o ser humano no espaço ao ar livre;
Dá acesso a lugares onde automóveis não chegam;
Passa-se a conhecer melhor a própria cidade;
A bicicleta fornece liberdade de locomoção.

Rosângela Araújo1*
1 Mestranda de Artes ‘Design Integrado’ pela Koln International School of Design-KISD, em Colônia, Alemanha. Ouvinte do Programa de Pós Graduação-PPG da Universidade Federal do Paraná UFPR - Design Sustentável com Prof. Aguinaldo dos Santos do Núcleo de Design & Sustentabilidade-NDS em Curitiba, Brasil. Vice Presidente do Instituto Diamante Verde, ONG sócio ambiental, atuante no semiárido brasileiro. Designer do coletivo criativo Tertúlia Produções Culturais.

E-Mail: ninaaraujo@gmail.com

Referências Bibliográficas:
Abciclovias. Disponível em: http://www.abciclovias.com.br/content/view/36/54/ - 31 de julho de 2008 - Acesso em 8 de setembro de 2010.
Transporte Ativo. Disponível em: http://blog.transporteativo.org.br/ - 07 de setembro de 2010 - Acesso em 8 de setembro de 2010.
Benefícios da Bicicleta. Disponível em: http://www.bicyclebenefits.org/ - Acesso em 8 de setembro de 2010.
Benefícios de pedalar bicicleta pelo Dr. Erich Rosenberger. Disponível em: http://www.helium.com/items/535870-benefits-of-bicycle-riding - Acesso em 8 de setembro de 2010.
Benefícios de andar de bicicleta por Martha Rogers. Disponível em:http://www.helium.com/items/1692874-benefits-of-bicycling - Acesso em 8 de setembro de 2010.
Obesidade, Identidade e Comunidade. “Obesity, Identity and Community: Leveraging Social Networks for Behavior Change in Public Health por Norah Mulvaney-Day e Catherine A. Womack. Disponível em: http://www.phe.oxfordjournals.org Acesso em: 1 de setembro de 2010
Capitalismo versus Sustentabilidade. O desafio de uma nova ética ambiental. Mauro Martini de Melo. Florianópolis: ED. da UFSC, 2006.

terça-feira, 7 de setembro de 2010

Fora da Casinha pela Mobilidade



Em concordância com o mês da bicicleta, domingo dia 26 de setembro a gloriosa "Fora da Casinha" homenageia o modal e traz atrações imperdíveis com shows de Janaína Fellini e Real Coletivo Dub!

A festa começa cedo, e depois das 18h a entrada aumenta então chegue cedo e aproveite para conferir os expositores e a maravilhosa literatura de cordel presentes nesta edição.

Vá de Bike!
Para conferir outras atividades do mês da bicicleta acesse http://artebicicletamobilidade.wordpress.com/

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Soluções pelo mundo

HOTEL OFERECE REFEIÇÕES DE GRAÇA PARA QUEM ESTIVER DISPOSTO A GERAR ELETRICIDADE



O Crown Plaza Hotel, em Copenhague, Dinamarca , oferece uma chance para quem quer fazer uma boa refeição sem deixar de cuidar do planeta. O hotel disponibiliza bicicletas ligadas a um gerador de eletricidade para os hóspedes voluntários. Cada um deles deve produzir pelo menos 10 Watts/hora de eletricidade aproximadamente 15 minutos de pedalada para um adulto saudável. Após o exercício, o hóspede recebe um generoso vale-refeição: 26 euros, aproximadamente 60 reais.



BAR CAPTA ENERGIA PRODUZIDA PELA DANÇA DE SEUS FREQUENTADORES



Todas as luzes e os sons de uma balada gastam uma quantia considerável de eletricidade. Pensando nisso, o dono do Bar Surya, em Londres, refez o chão da pista de dança de seu estabelecimento e o revestiu com placas que, ao serem pressionadas pelos frequentadores do lugar, produzem corrente elétrica. Essa energia é então usada para ajudar na carga elétrica necessária à casa. Andrew Charalambous, o visionário dono do bar, diz que a eletricidade produzida pela pista modificada representa 60% da necessidade energética do lugar.



BORDEL OFERECE DESCONTO AOS CLIENTES QUE FOREM DE BICICLETA



Uma casa de diversão adulta encontrou uma maneira de atrair mais frequentadores, espantando a crise econômica, e ainda ajudar a frear as mudanças climáticas globais. Quem chega de bicicleta, ganha desconto. Segundo Thomas Goetz, dono do bordel Maison Denvie, a recessão atingiu em cheio os negócios. Consumidores que foram ao bordel pedalando, ou que provarem ter utilizado um meio de transporte público, recebem 5 euros de desconto sobre os tabelados 70 euros (mais de 150 reais) para 45 minutos.


UNIVERSIDADE CONSTROI TELHADO VERDE



O Design Verde é uma tendência da arquitetura moderna, e não estamos falando apenas da cor, mas sim de locais como o prédio de cinco andares da Escola de Arte, Design e Comunicação da Universidade Tecnológica de Nanyang, em Cingapura. A construção conta com uma cobertura vegetal e sua forma orgânica se mistura com a natureza onde está inserida. Os telhados revestidos de grama servem como ponto de encontro informal, além de ajudar no equilíbrio térmico do edifício e na absorção da água da chuva.



DESIGNER CRIA PIA QUE UTILIZA ÁGUA DESPERDIÇADA PARA REGAR PLANTA



Feita de concreto polido, a Pia batizada de Jardim Zen possui um canal que aproveita a água utilizada na lavagem das mãos para molhar uma planta. Criado pelo jovem designer Jean-Michel Montreal Gauvreau, a pia vem em bacia dupla ou modelo simples. Se você está preocupado eu ensaboar toda a sua plantinha, relaxe. Uma peça no início do canal drena o liquido e só deixa água sem sabão escorrer até a planta.



DESIGNER CRIA CHUVEIRO QUE O OBRIGA A SAIR QUANDO JÁ DESPERDIÇOU MUITA ÁGUA



O designer Tommaso Colia criou uma solução para aqueles que adoram passar um tempão tomando uma ducha relaxante (é, você mesmo!). O chuveiro Eco Drop possui círculos concêntricos como tapetes no chão, que vão crescendo enquanto o chuveiro está ligado. Após um tempo, a sensação fica tão incômoda que te força a sair do banho e, consequentemente, economizar água. Cerca de 20% de toda energia gasta no lar vem da água quente utilizada no banho seis vezes mais do que a iluminação doméstica, por exemplo.



DESIGNER CRIA INTERRUPTOR QUE MUDA DE COR PARA ENSINAR CRIANÇAS A ECONOMIZAR ENERGIA



Tio é o nome do interruptor em forma de fantasma que avisa, através de sutis luzes, há quanto tempo a lâmpada está acesa. Até uma hora, a expressão do fantasminha é feliz e a luz do interruptor permanece verde. Se a luz é deixada ligada por mais de quatro horas, ele se assusta e fica amarelo. Já se o morador da casa se atreve a deixar a luz acesa por mais de oito horas, o até então amigável fantasma se zanga e fica vermelho. Com o auxílio visual e tátil, espera-se que as crianças comecem a tomar consciência do desperdício de energia logo cedo, e de uma maneira divertida.



EMPRESA CRIA GRAMPEADOR SEM GRAMPOS PARA EVITAR POLUIÇÃO



Grampos de grampeador são tão poluentes que uma empresa decidiu criar um novo modelo do produto, sem grampos! Em vez dos grampos a que todos estamos acostumados, ele recorta pequenas tiras de papel e as usa para costurar até cinco folhas de papel juntas. Se você se empolgou com a ideia, pode encomendar esses grampeadores personalizados para que sua empresa se vanglorie de contribuir para um mundo livre grampeadores com grampos.



DESIGNER CRIA CARREGADOR DE IPHONE ALIMENTADO POR APERTO DE MÃO



Eis uma invenção que dará uma mão na economia de energia. Carregue seu iPhone com um aperto de mão! O conceito foi chamado de You can work


Enviado por Daniela de Carvalho