sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Eleanor Davies no Interaction | South America

Durante a Palestra de ELEANOR DAVIES no Interaction | South America, foi possível perceber quantos taboos cercam o desenvolvimento e compartilhamento de informações referentes ao Design.

Eleanor apresentou o case:
Design Dialogues: Opening difficult discussions through design research
(Diálogos de design: início de conversas difíceis com a pesquisa em design)

A designer britânica, possui vasta experiência em design estratégico e etnografia, além de ser palestrante em empreendedorismo social em escolas de design e de inovação. Com formação em engenharia, trabalhou em arquitetura, planejamento e cinema. Mestre em Design de Inovação e Industrial pela Royal College of Art de Londres, com especialização em cultura do consumo, impacto social, geração de formas inteligentes, mais adiante se integrou ao grupo de pesquisa da Aedas Architecs.
Na Frog Design, Eleanor conduz pesquisa em design e geração de conceitos para ajudar a um ampla gama de clientes a enfrentar os desafios em um mundo em mudanças. Seu trabalho a tem levado nos locais dos produtos e de seus usuários na Europa, Estados Unidos, Rússia, México e Índia.

fica a dica, mergulhe no mundo para saber mais!


http://www.interaction-southamerica2010.org/acompanhe-ao-vivo-a-conferencia/

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

II Interaction South America - UP

Na Universidade Positivo, participo a convite do Professor Renato Bertão, do Interaction South America.

A primeira palestra assistida será a de Dave Malouf (twitter @daveixd) o principal fundador e primeiro vice-presidente da Interaction Design Association, que realizou em 2008 a primeira conferência da IxDA no SCAD. Foi designer de interação sênior da Motorola Enterprise Mobility, tendo projetado interfaces e interações de softwares, web e hardware. Em seus 15 anos de experiência, Malouf se especializou em design de interação, arquitetura de informação, design de interface, gestão de projetos e outras áreas em tecnologia. Além de escrever para seu conhecido blog, Malouf publicou vários artigos em design de interação em mídias online e impressas e ensinado em workshops de design. É professor na Escola de Design do SCAD, uma universidade internacional para carreiras criativas.

O primeiro evento ocorreu em São Paulo e nos próximos 3 dias acontecerá em Curitiba.
Então vamos ampliar o entendimento sobre design de interação.

o evento pode ser acompanhado ao vivo através do link bit.ly/fUKGTM

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Ação Fora da Casinha no Bicicletário


O Bicicletário Livre do Centro Cívico de Curitiba será mais uma vez palco de arte independente e música durante a Virada Cultural de Curitiba. Com o apoio da Fundação Cultural de Curitiba, demos mais um passo rumo a propagação de atividades independentes de música, design, fotografia e artes plásticas.

Aparentemente é sim a nova geração cultural fervendo, querendo se mostrar. O que é simplismente genial pois com o apoio dos coletivos, criadores e artistas envolvidos no festival "Fora da Casinha" durante 2010, foi possível formular esse evento que acontecerá dias 6 e 7 de novembro, das 14h as 20h.

A arte do cartaz impresso e digital teve dedos dos artistas Juliana Luz e Fernando Rosenbaum.


Quem assina a produção é:
Tertúlia Produçöes Culturais,
Hora Sonora,
Varal de Idéias e
Instituto Diamante Verde.

terça-feira, 2 de novembro de 2010

GENTLE MACHINE PRODUCTIONS LLC PRESENTS A PETER JOSEPH FILM



Zeitgeist: Moving Forward (Watch Trailer)





“ECONOMISTS TODAY ARE, IN FACT, NOT ECONOMISTS AT ALL. THEY ARE PROPAGANDISTS OF MONEY VALUE. THIS SYSTEM IS MORE WASTEFUL THAN EVERY OTHER SYSTEM IN THE HISTORY OF THE PLANET. SO YOU ARE REALLY DEALING WITH NOT AN ECONOMIC SYSTEM BUT I WOULD GO SO FAR AS TO SAY AN ANTI-ECONOMIC SYSTEM.”
Dr. John McMurtry, Author: “The Cancer Stage of Capitalism”

“IN THE PAST, THE MAIN THREAT TO HUMAN SURVIVAL WAS NATURE.
TODAY IT IS CULTURE...WHAT WE ARE DOING TO EACH OTHER.”
Dr. James Gilligan, Psychiatrist - Harvard Medical School

“WHAT WE FACE NOW OVER THE NEXT 20-30 YEARS IS A FUNDAMENTAL CHANGE OF THE LIFE WE
HAVE KNOWN FOR THE LAST CENTURY. IT IS A TURNING POINT IN HISTORY.”
Dr. Colin Campbell, ASPO International

“WE ARE NOW BECOMING AWARE OF HOW FUNDAMENTALLY SOCIAL HUMAN BEINGS ARE AND
THE ECONOMIC THEORY WE HAVE WORKED WITH FOR THE LAST FEW GENERATIONS IS BEING
CHALLENGED BY A FIELD OF EXPERIMENTAL AND BEHAVIORAL ECONOMICS.”
Richard Wilkinson, Professor Emeritus at the University of Nottingham

“WAR, POVERTY, CORRUPTION, HUNGER, MISERY, HUMAN SUFFERING WILL NOT CHANGE IN A MONETARY SYSTEM. THAT IS, THERE WILL BE VERY LITTLE SIGNIFICANT CHANGE. IT’S GOING TO TAKE THE REDESIGN OF OUR CULTURE AND VALUES AND IT HAS TO BE RELATED TO THE RE-
SOURCES OF THE EARTH.”
Jacque Fresco, The Venus Project


SYNOPSIS:
Zeitgeist: Moving Forward, by director Peter Joseph, is a feature length documentary work which will present a case for a needed transition out of the current socioeconomic monetary paradigm which governs the entire world society. This subject matter will transcend the issues of cultural relativism and traditional ideology and move to relate the core, empirical “life ground” attributes of human and social survival, extrapolating those immutable natural laws into a new sustainable social paradigm called a “Resource-Based Economy”.

This film will feature experts in the fields of public health, anthropology, neurobiology, economics, en- ergy, technology, social science and other relevant subjects which relate to social operation and culture. The three central themes of the work are Human Behavior, Monetary Economics, and Applied Science. Put together the work creates a model of understanding the current social paradigm; why it is critical to move out of it - coupled with a new, radical, yet practical social approach based on advanced under- standings which would resolve the current social woes facing the world today.

One of the unique attributes of this work, which separates it in style from most documentaries, is that it has a parallel dramatic/cinematic theme, with notable actors, which abstractly plays out various ges- tures related to the overall message of the film. The work also vigorously employs numerous 2d and 3d visual abstracts/animations, while returning to the standard, traditional documentary orientation as the foundation.


RELEASE:
Zeitgeist: Moving Forward is to be released in 60+ countries and in 20+ languages starting January 15th 2011. This large scale release is not associated with any major distributor. Part of the counter-culture ex- pression of this approach is to bypass all corporate media involvement and utilize independent groups, in a non-profit manner, which will show the work in their respective regions. Most of these groups are in affiliation with various activist communities, including “The Zeitgeist Movement”, which is a sustain- ability advocacy group seeking a social transition into a new socioeconomic paradigm, away from the growing distortion of the monetary system and its consequences.

Zeitgeist: Moving Forward is a non-commercial project, which means it will be available for free acquisi- tion via internet in both online viewing form and full DVD download. ZeitgeistMovingForward.com will also have a physical $5.00 DVD available in mid to late January.
The Global Theatrical Premiere will be presented by The Artivist Film Festival organization on January 15th 2011 in Los Angeles, CA

DIRECTOR:
The director, producer, writer, cinematographer, composer, editor and narrator of the work, Peter Joseph, was inadvertently brought into recognition within the documentary film community with his award winning, controversial, 2007 work “Zeitgeist: The Movie” which obtained over 100,000,000 views online during the first year of its publication. This film was not a film at all in its original conception, but become one after it achieved global acclaim.

In 2008, a sequel to the work, entitled “Zeitgeist: Addendum”, was premiered at the Artivist Film Festival in Hollywood CA. As with its predecessor, the award winning “Addendum” was a huge viral internet phenomenon obtaining over 50,000,000 views within its first year.

After the release of this sequel, Joseph then founded a social movement inspired by the public reaction - called “The Zeitgeist Movement”. This global organization, with now over half a million subscribers across 200 countries, works to begin a transition of culture into a new sustainable eco- nomic paradigm and Zeitgeist: Moving Forward is, in part, a media expression of the same focus. “The Zeitgeist Movement” is an extension of “The Venus Project”- an organization established by industrial designer - Jacque Fresco - which is also featured in the film.

“Zeitgeist: Moving Forward” is the third installment in what has now become a cultural film series project which continues to consider the current “Zeitgeist” - which means “The Spirit or Aware- ness of the Time” or culture.



For more information about Zeitgeist: Moving Forward, including release dates: www.zeitgeistmovingforward.com

For more about The Zeitgeist Film Series and its history:
www.zeitgeistmovie.com

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Primeiro barco solar a dar a volta ao mundo



Batendo pavilhão suíço, o primeiro barco inteiramente movido pela energia solar começou sua volta ao mundo.
O projeto deve suscitar uma tomada de consciência pela mobilidade solar e pelas energias renováveis.

O MS Tûranor PlanetSolar deixou o porto de Mônaco no início da semana. “Avançamos muito bem”, explicou por e-mail enviado do barco Rafael Domjan, iniciador do projeto e membro da tripulação.


“Depois de seis anos de trabalho, é difícil encontrar palavras para explicar o sentimento de podem enfim navegar. É genial navegar à noite com a energia solar”, diz o suíço Raphael Domjan.

O barco tem um motor silencioso, totalmente não poluente, baseado na energia solar. “Nossa ideia é provar que a tecnologia das energias renováveis evoluiu muito e que hoje é confiável”, acrescenta Domjan. Queremos mostrar que a navegação motorizada por funcionar sem petróleo.”

"O Senhor dos Anéis"

O Tûranor (que significa “potência do sol” no “Senhor dos Anéis”) vai percorrer 50 mil km durante um pouco menos de oito meses. Vai atravessar o Atlântico, o Canal do Panamá, subirá até São Francisco, depois Sydney, Cingapura e os Emirados Árabes Unidos.

A tripulação deve constantemente corrigir a trajetória e sua velocidade à radiação solar e às previsões meteorológicas. A velocidade médica estimada é de 7,5 nós.

Maior barco solar desse gênero, o Tûranor custou aproximadamente 16,6 milhões de francos suíços. O catamarã tem 31 m de comprimento, 15 m de largura e pesa 85 toneladas.

O barco solar é coberto de 540 m2 de painéis fotovoltaicos conectados aos motores de cada lado do casco. As partes solares removíveis adicionais lhe permite navegar durante três mesmo sem nova energia solar.

Apoio do Estado

O projeto tem apoio do Ministério suíço das Relações Exteriores, com uma subvenção de 300 mil francos para o período 2009-2011. Segundo a chanceler Micheline Calmy-Rey, PlanetSolar foi designado para promover o espírito competitivo e concorrencial da Suíça, sobretudo nas tecnologias ambientais e as energias renováveis, setores em que Suíça pretende ser um país de referência.

“É um projeto espetacular e verdadeiramente global, declarou” Micheline Calmy-Rey à swissinfo.ch. PlaentSolar é uma plataforma ideal para promover a mensagem ambiental em razão de sua grande visibilidade e do grande interesse da mídia”, acrescentou a ministra.

O barco poderá também contar com o apoio logístico e organizacional das embaixadas e consulados suíços. Isso permitirá “encorajar e ampliar a rede suíça a um alto nível.”

Energia fotovoltaica

Lancé au bord du Lac de Neuchâtel en 2004, PlanetSolar est né grâce au travail d’une équipe internationale d’ingénieurs, de physiciens et de constructeurs de bateaux.

Mais il n’est pas le seul projet lié à l’énergie photovoltaïque en Suisse. L’avion «Solar Impulse» de Bertrand Piccard prépare lui aussi un tour du monde, en 2013.

La semaine dernière, l’avion effilé a décollé pour la première fois des aéroports de Genève et de Zurich. En juillet, il avait réussi à voler toute la nuit, attirant l’attention des médias du monde entier.

Un inventeur suisse a en outre fait le tour du monde dans un taxi solaire.

"Suíços muito interessados"

David Stickelberger, diretor da Associação dos Profissionais da Energia Solar (Swisssolar), acompanha atentamente o trabalho dos pioneiros. “Eles permitem divulgar os progressos nesse setor”, afirma.

“Essas tentativas demonstram que os suíços são muito interessados e que acreditam. Esperamos ir ainda mais longe”, declara Stickelberger.

Se a pesquisa e o conhecimento são grandes na Suíça, a utilização da energia solar – que representa apenas 0,13% da produção energética – para as necessidades domésticas ainda é fraco, lamenta o diretor. Os suíços ainda estão atrasados em relação aos alemães (no fotovoltaico) e aos austríacos (pela energia térmica).

O especialista vê duas razões para isso : a energia convencional é muito barata e falta vontade política.

“Nos poderíamos produzir aproximadamente um terço da energia elétrica com a tecnologia atual. As novas células fotovoltaicas aumentarão ainda mais essa eficiência.”


Isobel Leybold-Johnson, swissinfo.ch
(Adaptação: Claudinê Gonçalves)

sábado, 23 de outubro de 2010

E V A - equivoco voluntário aplicado ou etileno-acetato de vinila

Conhecendo materiais...

Segue então a 1ª parte da série com a descrição do E V A:

O poli[(etileno)-co-(acetato de vinila)] (EVA) possui grande aplicação na indústria calçadista, sendo utilizado na confecção de placas expandidas para posterior corte de palmilhas e entressolas. Estudos realizados na região sul do Brasil mostraram que os resíduos gerados pela indústria calçadista foram superiores a 200 toneladas/mês em 2001, sendo o maior volume oriundo de recortes de placas expandidas. Por isso, o objetivo deste trabalho foi o de caracterizar resíduos de EVA de chapas expandidas, visando à reciclagem mecânica desse material. Análises em MEV demonstraram que o resíduo de EVA apresenta uma morfologia microcelular que é destruída após o processo de moagem. O resíduo de EVA moído apresenta duas fases, uma reticulada (matriz) e uma não-reticulada (dispersa). O resíduo de EVA apresentou teor de gel de aproximadamente 75% em massa, cerca de 20% em massa de acetato de vinila (VAc), fora processado a partir de EVA com aproximadamente 28% de VAc e possui teor de carga inorgânica de 20% em massa, segundo análises em TGA. O EVA resíduo apresentou maiores valores de módulo elástico e de dureza, e menores valores de elongação na ruptura e de resistência ao impacto Izod. O custo energético da moagem do resíduo de EVA foi calculado como sendo inferior a 5% do valor do EVA virgem.
Palavras-chave: EVA, chapas expandidas.

http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-14282005000100016&script=sci_arttext&tlng=pt


O copolímero poli[(etileno)-co-(acetato de vinila)] (EVA) é formado pelo encadeamento de seqüências aleatórias de polietileno e poli(acetato de vinila) (PVAc). Suas propriedades são geralmente intermediárias, quando comparadas as dos componentes puros, o que se deve à sua complexa morfologia, que é composta por uma fase cristalina, contendo unidades metilênicas, uma região interfacial, com segmentos metilênicos e segmentos de acetato de vinila (VAc), e uma fase amorfa, com segmentos metilênicos e unidades de VAc [1].

Se comparado com um PEBD de mesma massa molar, o EVA apresenta maior valor de elongação na ruptura e de resistência ao impacto, e menor módulo de elasticidade. O EVA com teores de acetato de vinila entre 18-28% em massa possui grande aplicação na indústria de calçados, sendo a maior parte utilizada na confecção de placas expandidas para estampagem de palmilhas, entressolas, confecção de solados [2], ou de variados artigos como: viseiras, brinquedos, material didático, etc.[3-5]. Os solados produzidos com EVA expandido possuem densidades menores comparados ao SBR ou ao PVC expandido, e apresentam células fechadas, o que diminui a absorção de água.

Estudos realizados sobre o EVA têm mostrado o seguinte crescimento de consumo: 8.142 toneladas no ano de 1985, passando para 39.103 tonelada no ano de 1999 e para de 45.780 toneladas em 2003[6]. Segundo a Associação Brasileira da Indústria de Plásticos (ABIPLAST), em 2003 o consumo de resinas termoplásticas no Brasil foi da ordem de 3.817.000 toneladas. O polietilieno representou a maior porcentagem deste montante, cerca de 39,9% ( 1.522.704 toneladas), e o copolímero EVA com um valor de 1,2% (45.780 toneladas)[6].

A indústria de calçados da região do Vale do Rio dos Sinos (Rio Grande do Sul), gerou uma quantidade de resíduos superior a 200 toneladas/mês, de acordo com estudo realizado em 2001 por Serrano [7], o qual identificou 72 componentes poliméricos em diferentes proporções. Os materiais que representaram um volume maior entre estes resíduos eram oriundos do processo de recortes de placas expandidas, constituídas por aproximadamente 3,9% de EVA, dependendo das características das micro-regiões produtoras de calçados [7,8]. O processo de corte e acabamento de chapas expendidas de EVA gera uma média de 18% em massa de material residual, perfazendo o montante estimado no Brasil deste tipo de descarte da ordem de 7.932 toneladas anuais [8]. Baseado neste cenário, o objetivo deste trabalho foi o de caracterizar resíduos de EVA provenientes de chapas expandidas quanto à morfologia, propriedades térmicas e propriedades mecânicas e determinar o custo da moagem destes resíduos visando sua reutilização.

falando em calçados, que tal mostrar do que o EVA é capaz...

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Onde carregar a bateria do celular

Hoje durante a tarde, tive a possibilidade de utilizar um serviço um tanto diferente nas lojas de aparelhos celulares.

Há alguns dias (diga-se meses) meu bom e velho galo (o celular, um Nokia de 5 anos de idade) não funciona com o mesmo talendo de anos anteriores.

E por uma fatalidade o carregador de sua bateria está perdido meio a tantos fios no apartamento de minha mãe.

O fato é que ao caminhar pelo centro comercial do Bacacheri, bairro próximo ao de minha mãe, avistei uma a loja de celular, um bom lugar para procurar um novo carregador. Aproveitei o momento e sabendo que a minha caminhada entre os estabelecimentos levaria alguns minutos, o celular poderia ficar carregando na loja.
Pois dito e feito. Logo uma atendente veio me recepcionar, perguntei do carregador específico que custava 20 reais. O carregador já estava lá na loja, esperando para ser comprado. Então lancei a questão: "E eu posso deixar ele carregando aqui?"Logo a resposta foi positiva e de eu ter aproveitado a estrutura existente transformou o momento em "serviço de uso" e não de venda. Esta foi a minha segunda experiência deste tipo.A primeira foi em Berlim-Alemanha, numa situação similar.

Interessante também é pensar em outras possibilidades que os estabelecimentos, que ocupam espaço e consomem eletricidade durante horas todos os dias, podem oferecer.
São excelentes momentos de serviço a serem desbravados.

Caso alguém mais tente deixar o celular carregando numa loja, me mande uma mensagem dizendo como foi a reação do atendente do local, ficarei feliz em compartilhar.

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Troca Troca, um hábito saudável



Aconteceu no sábado passado, 16/10/2010 D.C. no espaço do "Café Ludica", parte anexa a Galeria Ludica no Centro de Curitiba um momento de prática do desapego.

A segunda edição do "Troca Troca" atividade batizada pelos blogs BTMess + Defenestrando + Trend Coffee provocou mais um incentivo a repensar formas de interagir e consumir. Teve gente que saiu com um guarda-roupa novo, livros técnicos e romances, óculos vintage, sapatos jamais calçados, e passou uma tarde agradabilíssima na Galeria Lúdica.

E enquanto rolava o som quem estava no local ainda conecia e saboreava o trabalho da publicitária, criadora, chef de confeitaria e amiga pessoal Carolina Garofani com sua CarameloDrama. Os doces coloridos deram um toque especial à tarde de trocas.

O espaço dispunha de cabides, araras e prateleiras para expôr objetos como: roupas, livros, cds, lps, (balança de química dos anos 60), acessórios, perfumes, objetos de decoração…

Participei levando um cd do Silverchair (alias um dos primeiros que comprei com meu próprio salário da extinda 91 Rock), um pote de tinta acrilica branca, vestidos, shorts, algumas peças únicas que trouxe de viajens, um par de sapatos e um terno original italiano hehehe.

Em troca fiquei com dois converse, uma blusa linda e um glorioso livro do Paulo Coelho.

Friso a importância do escambo como boa solução para aqueles famintos às novidades ou peças novas para deleite consumista.

EPlaylist: BTMess + Defenestrando + Trend Coffee
Onde: Café Lúdica (R. Inácio Lustosa, 367 – São Francisco)
Quando: sábado (16/10) – das 15 às 20hs
+cupcakes +snacks4free +drinks($3)

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Felixbravo & Camafeu

O que doce tem a ver com música. Neste album, tudo.


vide notas

Gazeta do Povo - Jornal Periódico de Curitiba.
"É daqueles trabalhos que não casam com a pressa, precisam de tempo e calma para serem degustados.
http://www.gazetadopovo.com.br/colunistas/conteudo.phtml?tl=1&id=1054355&tit=Felixbravo--a-musica-e-as-nuances-do-tempo

Rolling Stone - Revista Nacional.
"FELIXBRAVO foca na tradição da música para subverter."

Musicoteca - Site com distribuição online do disco.
"O novo disco "Camafeu" do Felixbravo é uma caixa de doces musicais! Os sabores da valsa, choro, bossa e maxixe. Prove!"

Balaio Contemporâneo - Blog musical.
"Tom e Vinícius do século 21 lançam a segunda obra musical."

Untuned - Blog musical.
"A novidade deles vem em sutilezas. Em uma bateria ora tocada com as mãos, na flauta transversal tocada por Bernardo, na harmonia do violão de João. Em sua poesia sutil e simples para cantar o amor, o cotidiano dos jovens, a infância. Uma mistura de jazz, Bossa Nova, samba e música erudita.


A relação do tempo para digerir a arte é tão fundamental quanto criar a arte em si.

Lembro que os encartes foram impressos em papel reciclado e é o cd vem embalado em um origami muito sagaz e a maior parte da divulgação para o show de lançamento no dia 17 de setembro no SESC da esquina é feito online, uma forma simbólica de manifestar a distinção do trabalho desta equipe.

Tertúlia Produções. alias Nina

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

A Arte da Carona


Hoje é 22 de setembro de 2010. Dia Mundial sem carro.
Na minha Cidade Curitiba, batemos vergonhosos recordes de vendas de carros e números de veículos por habitante.

Tinha um compromisso na Reitoria, que fica no centro da cidade. Eu acordei, me arrumei, tomei café e no ponto de ônibus pedi carona. (Carona: transporte gratuito em veículos de terceiros)

Depois de 10 minutos e uns 20 carros, muitos com apenas o motorista dentro, a boa alma chamada Celso que trabalha na Secretaria de Cultura do Paraná, bem solicito, parou e deu carona. Chegou a oferecer o numero de telefone caso precisasse de novas caronas. Nesta manhã, entre risos, "jóinhas" e caras de espanto lembrei que existem aqueles que prezam pela boa educação e a gentileza, que nos é fundamental.

Bom seria estimular a cultura da carona. Sistemas identificáveis ou rastreáveis de onde pegar carona, quem seriam os envolvidos, etc.

Diferentemente, no Dia Mundial Sem Carro, a prefeitura de Porto Alegre lançou uma campanha para estimular a carona na cidade. O objetivo é reduzir número de veículos nas ruas e o impacto ambiental da poluição causada pelos carros. Segundo a EPTC, o projeto "Carona Legal" será levado para dentro de empresas e organizações. (Jornal Zero Hora - POA 22/09/10)


Segue lista de sites de caronas pelo Brasil:
- Unicaronas
- Carona Segura
- Carona Brasil
- Caroneiros

Nota do DCE UFGD, que solicitou a reitoria a construção do Ponto de Carona, após reunião com reitor, ficou acordado de ver as possibilidades técnicas da obra.

Um exemplo de site carona na Alemanha:
http://www.mitfahrgelegenheit.de/

Aproveito ainda para apresentar o site americano Ride the City que aponta lojas de bicicletas e locadoras. Além das melhores rotas de bike em Nova York

O besouro de lata isola e aliena.(na bíblia tem uma passagem bacana que diz que os animais rastejantes de 4 patas são impuros... só para contextualizar e inspirar).

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Evoke





no
http://www.flickr.com/photos/galeria_ludica/5008902400/in/photostream/



Para Evoke Eyewear (Optical Art Culture) Evoke Art Gallery, sábado dia 18 de setembro.EVOKE na Galeria Lúdica em Curitiba.

Diferencial competitivo


De acordo com o professor Japonês Nagasawa, Tadanori da Musashino Art University e autor de "The Intangible Era - a vision for the design-oriented society", é possível prever que em um mercado globalizado, o maior diferencial competitivo para posicionar marcas, produtos e serviços, será a individualidade, originalidade e inovação eficaz, pois esses valores são exclusivos dos produtores. 
Este mesmo professor ainda sustenta um termo chamado "japanesque", mais do que uma entusiasmada nova marca japonesa,  que une cultura, design e estética com tecnologia avançada trazendo valores que enrriquecem a vida contemporanea.



"Launched in October 2006 as a nationwide campaign and encouraged by the Japanese Ministry of Economy, Trade and Industry (METI), Japanesque Modern strives to be a national movement, enhancing Japan's brand image while promoting continuous industrial innovation. Japanesque Modern represents Japan’s past, present, and promise for the future."




Uma coleção de produtos e serviços contemporâneos com critérios baseados nos valores espirituais japoneses para sua função, estética ou simbolismo.
A junção do artesanato e tecnologia se encaixam no "mundo moderno", e também traz vantagens competitivas internacionais para a indústria Japonesa, conferindo ainda um alto contexto cultural.

domingo, 19 de setembro de 2010

Manifesto

Compartilho aqui informações relevantes. Verdadeira inspiração, para fomentar o mês da bicicleta.

Na rede estabelecida pelo “Arte bicicleta e mobilidade”, estão soluções que não necessitam de uma estrutura absoluta e monetária para provocar mudanças de comportamento que tornem a vida mais proveitosa, à melhorar as saúdes: física, mental e intelectual. Portanto a internet atende as espectativas de distribuir como uma cascata mais esse manifesto.

Um artigo recente da Universidade de Oxford, nos Estados Unidos, sobre obesidade e mudança de comportamento, defende a idéia de que um pessoa com identidade potencial que parte de vínculos sociais, reconhece e define autonomia e individualidade, limitações no espaço onde vive e ainda influencia comportamentos individuais alheios.

Através da rede em prol da mobilidade, com pretensão de ser potencialmente eficaz, este manifesto reforça o contexto do mês da bicicleta. Esta intervenção direta, dinamiza o ambiente caótico e aleatório de maneira sustentável, incorporando valores subjetivos a promoção de bons hábitos, listando uma série de características individuais e ambientais relacionadas ao uso e benefícios a saúde da bicicleta na cidade;

Educação e saúde, são problemas de todas as pessoas, se estendem ao contexto ecológico e sua ambientação, influenciados por padrões individuais, das redes sociais e do ambiente.

Tais padrões individuais e ambientais, interagem no estilo de vida adotado por cada um, contribuindo para a formação do argumento cosmopolita, onde o tempo passa a ter uma importância maior do que realmente exerce. Essa super valorização gera um constrangimento medíocre que leva ao consumo insaciável, menosprezando ou ridicularizando comportamentos construtivos que alimentam uma auto imagem positiva que completariam com intervenções físicas para uma melhora de saúde.

Melhorar a qualidade da saúde pública uma cidade como Curitiba, pode estar diretamente relacionado ao hábito do pedalar, um salto de qualidade. No raciocínio que os meios de transporte são máquinas do tempo, já que a aceleração do tempo é inerente ao funcionamento do capitalismo, pois modifica a relação espacial e de tempo ser/estar do humano, a bicicleta é um modal bem próximo ao ser/estar do ser humano solo, pois demanda aplicação da tração humana para mover-se.

Lista-se então benefícios diretas do hábito de utilizar a bicicleta como meio de transporte, gerando melhora da saúde, educação, apropriação de um recurso humano em prol do controle e estabelecimento de limite aos recursos naturais e contexto de cada cidadão:

Redução de automóveis nas vias públicas, liberando espaço físico e diminuindo a poluição sonora e visual;
Redução de emissões poluentes;
Redução do uso desnecessário do solo e do espaço público, como em estacionamentos e áreas de manobra para automóveis;
Redução da produção de lixo, considerando que a vida útil de uma bicicleta é muito maior que a de um automóvel;
Baixo custo de manutenção da bicicleta comparado ao automóvel;
Redução do consumo de energia: são 1100kcal de um automóvel médio contra 22kcal do ciclista. (aqui vale lembrar que 10 minutos de pedalada geram 1 hora de energia para acender uma lâmpada residencial de 60W);
Redução da dependência de combustíveis fósseis;
Redução do peso aplicado nas vias de tráfego, minimizando os gastos na manutenção;
Eficiência de mobilidade, lembrando o ciclista encontra outros meios de prosseguir mesmo diante de um congestionamento ou interrupção do tráfego;
Aumento de prática física, desenvolvendo agilidade;
Aumento da vitalidade, capacidade respiratória e benefícios cardiovasculares;
Ajuda a desenvolver outros sentidos além da visão;
Ajuda a eliminar toxinas através do suor;
Ao liberar endorfinas, o nível de colesterol diminui regularizando os níveis de açúcar no sangue;
Proporciona equilíbrio;
Ser um meio de transporte e de lazer ao mesmo tempo;
Pedalar é muito prazeroso e exige um quinto do esforço de ir a pé (pedalando consumimos 22kcal/km) produzindo ainda a serotonina, hormônio responsável pela felicidade (Quem vai de bicicleta vai mais feliz!) ;
Aproxima da natureza;
Reposiciona o ser humano no espaço ao ar livre;
Dá acesso a lugares onde automóveis não chegam;
Passa-se a conhecer melhor a própria cidade;
A bicicleta fornece liberdade de locomoção.

Rosângela Araújo1*
1 Mestranda de Artes ‘Design Integrado’ pela Koln International School of Design-KISD, em Colônia, Alemanha. Ouvinte do Programa de Pós Graduação-PPG da Universidade Federal do Paraná UFPR - Design Sustentável com Prof. Aguinaldo dos Santos do Núcleo de Design & Sustentabilidade-NDS em Curitiba, Brasil. Vice Presidente do Instituto Diamante Verde, ONG sócio ambiental, atuante no semiárido brasileiro. Designer do coletivo criativo Tertúlia Produções Culturais.

E-Mail: ninaaraujo@gmail.com

Referências Bibliográficas:
Abciclovias. Disponível em: http://www.abciclovias.com.br/content/view/36/54/ - 31 de julho de 2008 - Acesso em 8 de setembro de 2010.
Transporte Ativo. Disponível em: http://blog.transporteativo.org.br/ - 07 de setembro de 2010 - Acesso em 8 de setembro de 2010.
Benefícios da Bicicleta. Disponível em: http://www.bicyclebenefits.org/ - Acesso em 8 de setembro de 2010.
Benefícios de pedalar bicicleta pelo Dr. Erich Rosenberger. Disponível em: http://www.helium.com/items/535870-benefits-of-bicycle-riding - Acesso em 8 de setembro de 2010.
Benefícios de andar de bicicleta por Martha Rogers. Disponível em:http://www.helium.com/items/1692874-benefits-of-bicycling - Acesso em 8 de setembro de 2010.
Obesidade, Identidade e Comunidade. “Obesity, Identity and Community: Leveraging Social Networks for Behavior Change in Public Health por Norah Mulvaney-Day e Catherine A. Womack. Disponível em: http://www.phe.oxfordjournals.org Acesso em: 1 de setembro de 2010
Capitalismo versus Sustentabilidade. O desafio de uma nova ética ambiental. Mauro Martini de Melo. Florianópolis: ED. da UFSC, 2006.

terça-feira, 7 de setembro de 2010

Fora da Casinha pela Mobilidade



Em concordância com o mês da bicicleta, domingo dia 26 de setembro a gloriosa "Fora da Casinha" homenageia o modal e traz atrações imperdíveis com shows de Janaína Fellini e Real Coletivo Dub!

A festa começa cedo, e depois das 18h a entrada aumenta então chegue cedo e aproveite para conferir os expositores e a maravilhosa literatura de cordel presentes nesta edição.

Vá de Bike!
Para conferir outras atividades do mês da bicicleta acesse http://artebicicletamobilidade.wordpress.com/

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Soluções pelo mundo

HOTEL OFERECE REFEIÇÕES DE GRAÇA PARA QUEM ESTIVER DISPOSTO A GERAR ELETRICIDADE



O Crown Plaza Hotel, em Copenhague, Dinamarca , oferece uma chance para quem quer fazer uma boa refeição sem deixar de cuidar do planeta. O hotel disponibiliza bicicletas ligadas a um gerador de eletricidade para os hóspedes voluntários. Cada um deles deve produzir pelo menos 10 Watts/hora de eletricidade aproximadamente 15 minutos de pedalada para um adulto saudável. Após o exercício, o hóspede recebe um generoso vale-refeição: 26 euros, aproximadamente 60 reais.



BAR CAPTA ENERGIA PRODUZIDA PELA DANÇA DE SEUS FREQUENTADORES



Todas as luzes e os sons de uma balada gastam uma quantia considerável de eletricidade. Pensando nisso, o dono do Bar Surya, em Londres, refez o chão da pista de dança de seu estabelecimento e o revestiu com placas que, ao serem pressionadas pelos frequentadores do lugar, produzem corrente elétrica. Essa energia é então usada para ajudar na carga elétrica necessária à casa. Andrew Charalambous, o visionário dono do bar, diz que a eletricidade produzida pela pista modificada representa 60% da necessidade energética do lugar.



BORDEL OFERECE DESCONTO AOS CLIENTES QUE FOREM DE BICICLETA



Uma casa de diversão adulta encontrou uma maneira de atrair mais frequentadores, espantando a crise econômica, e ainda ajudar a frear as mudanças climáticas globais. Quem chega de bicicleta, ganha desconto. Segundo Thomas Goetz, dono do bordel Maison Denvie, a recessão atingiu em cheio os negócios. Consumidores que foram ao bordel pedalando, ou que provarem ter utilizado um meio de transporte público, recebem 5 euros de desconto sobre os tabelados 70 euros (mais de 150 reais) para 45 minutos.


UNIVERSIDADE CONSTROI TELHADO VERDE



O Design Verde é uma tendência da arquitetura moderna, e não estamos falando apenas da cor, mas sim de locais como o prédio de cinco andares da Escola de Arte, Design e Comunicação da Universidade Tecnológica de Nanyang, em Cingapura. A construção conta com uma cobertura vegetal e sua forma orgânica se mistura com a natureza onde está inserida. Os telhados revestidos de grama servem como ponto de encontro informal, além de ajudar no equilíbrio térmico do edifício e na absorção da água da chuva.



DESIGNER CRIA PIA QUE UTILIZA ÁGUA DESPERDIÇADA PARA REGAR PLANTA



Feita de concreto polido, a Pia batizada de Jardim Zen possui um canal que aproveita a água utilizada na lavagem das mãos para molhar uma planta. Criado pelo jovem designer Jean-Michel Montreal Gauvreau, a pia vem em bacia dupla ou modelo simples. Se você está preocupado eu ensaboar toda a sua plantinha, relaxe. Uma peça no início do canal drena o liquido e só deixa água sem sabão escorrer até a planta.



DESIGNER CRIA CHUVEIRO QUE O OBRIGA A SAIR QUANDO JÁ DESPERDIÇOU MUITA ÁGUA



O designer Tommaso Colia criou uma solução para aqueles que adoram passar um tempão tomando uma ducha relaxante (é, você mesmo!). O chuveiro Eco Drop possui círculos concêntricos como tapetes no chão, que vão crescendo enquanto o chuveiro está ligado. Após um tempo, a sensação fica tão incômoda que te força a sair do banho e, consequentemente, economizar água. Cerca de 20% de toda energia gasta no lar vem da água quente utilizada no banho seis vezes mais do que a iluminação doméstica, por exemplo.



DESIGNER CRIA INTERRUPTOR QUE MUDA DE COR PARA ENSINAR CRIANÇAS A ECONOMIZAR ENERGIA



Tio é o nome do interruptor em forma de fantasma que avisa, através de sutis luzes, há quanto tempo a lâmpada está acesa. Até uma hora, a expressão do fantasminha é feliz e a luz do interruptor permanece verde. Se a luz é deixada ligada por mais de quatro horas, ele se assusta e fica amarelo. Já se o morador da casa se atreve a deixar a luz acesa por mais de oito horas, o até então amigável fantasma se zanga e fica vermelho. Com o auxílio visual e tátil, espera-se que as crianças comecem a tomar consciência do desperdício de energia logo cedo, e de uma maneira divertida.



EMPRESA CRIA GRAMPEADOR SEM GRAMPOS PARA EVITAR POLUIÇÃO



Grampos de grampeador são tão poluentes que uma empresa decidiu criar um novo modelo do produto, sem grampos! Em vez dos grampos a que todos estamos acostumados, ele recorta pequenas tiras de papel e as usa para costurar até cinco folhas de papel juntas. Se você se empolgou com a ideia, pode encomendar esses grampeadores personalizados para que sua empresa se vanglorie de contribuir para um mundo livre grampeadores com grampos.



DESIGNER CRIA CARREGADOR DE IPHONE ALIMENTADO POR APERTO DE MÃO



Eis uma invenção que dará uma mão na economia de energia. Carregue seu iPhone com um aperto de mão! O conceito foi chamado de You can work


Enviado por Daniela de Carvalho

domingo, 15 de agosto de 2010

Fora Da Casinha - 15 de agosto

Tertúlia Produções e Casinha Apresentam um domingo formidável.



Apresentações circenses, exposição e bazar de criadores locais, zine explicativo da festa, banheiro compostável, comes, bebes e musica pra não perder o rebolado no domingo ensolarado.

Espero vocês lá!

terça-feira, 6 de julho de 2010

Escambo


Já pensou em pagar suas dívidas, compras ou cursos que gostaria de fazer com algum serviço que você desenvolve?

Poucos dias atrás, para ser exata na festa que aconteceu na Casinha, sede da Tertúlia produções, percebi que mais pessoas além de mim, aceitam serviços no lugar de dinheiro como forma de pagamento.

A troca é nossa velha conhecida, de infância, tampinhas de garrafa, botões, bonecas, roupas, as vezes até a saborosa refeição. Na agradável tarde "fora da casinha" expositores convidados ficavam a disposição do público para possíveis prestações de serviços, em destaque a criadora e artista Lisa, que com sua poderosa máquina de costura, mostrava ao vivo o que se faz num atelier.

Outra boa lembrança de troca, me ocorreu antes da minha jornada pela Bahia durante o mês de junho. Queria muito fazer um curso de Reiki, terapia holística para mim é qualidade de vida. Enfim quando a oportunidade bateu em minha porta, vinha com o valor de R$300,00. Mais do que justo, utiliza-se um espaço que oferece conforto e tempo e conhecimento de pessoas envolvidas. Acontece que naquela hora, R$ 300,00 era muito e eu ficaria impossibilitada de realizar este "desejo"... Eis que me lembro dos meus dotes, começo a pensar se não existe nada além do dinheiro, que possa pagar o curso que eu tanto queria fazer.
Sim! entre a gaveta de dotes, acreditei que pintar paredes seria uma boa moeda e imediatamente liguei para a Mestre organizadora do curso, perguntando se primeiro era de interesse dela uma pintura, um mural ou painel pois eu no auge da cara de pau, estava sem dinheiro e poderia ser este o meu pagamento.
Ela gentil aceitou imediatamente, pois quem é que não precisa daquela renovada dos ares do lar?

Então que duas semanas depois da minha iniciação ao Reiki, estava feliz, pendurada em um andaime para colorir o teto da cozinha e sala linda de pé direito alto, em parceria com a Luciane, que assim como eu estava pagando um curso com seu trabalho.

No final das contas, depois de almoços deliciosos, chás, bolos e muitas risadas, a casa da Mukam ficou linda, eu em paz, satisfeita e com qualidade de vida, aprimorando inclusive minhas técnicas de pintura. :)

Pense nisso...

terça-feira, 29 de junho de 2010

Design For the First World »

“Third World minds design­ing for First World Prob­lems”

Design For the First World »

Genial
This is social design!

sábado, 26 de junho de 2010

First movie, now movement.

On www.thezeitgeistmovement.com you can findf the first official issue of The Zeitgeist Movement’s Newsletter. The Movement’s developments during the short period since its inception in late 2008, seeks to transition into a new social system, called a “Resource-Based Economy” which seeks to base social organization on Resource Management and Preservation as the initial starting point of all relevant earthly decisions.

Get ready to Jacque Fresco ideas (The Venus Project) and enjoy a different point of view.

sexta-feira, 18 de junho de 2010

References

References that are being used in the master thesis.

Aligleri, L. Gestão Socioambiental: responsabilidade e sustentabilidade do negócio / Lilian Aligleri, Luiz Antonio Aligleri, Isak Kruglianskas. - São Paulo: Atlas, 2009.

Araújo, J. “O fundamental princípio da transparência para a produção e o consumo sustentável” 2010.

Araújo, R; Oliveira, V. Módulo de Educação Ambiental. Universidade Positivo, 2006.

Battaglin, P.; Leandro, J.A.; Michaliszyn, (organizadores). Saúde Coletiva: um campo em construção - (Novakoski, L. E. R. 6 Saúde, Meio ambiente e desenvolvimento - 7 Meio Ambiente e Saúde: No caminho da promoção) Curitiba: Ibpex 2006.

Bauer, R. Gestão da mudança: caos e complexidade nas organizações. São Paulo: Atlas, 1999.

Baumman, Z. Comunidade: a busca por segurança no mundo atual. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.

Brucker, P. A euforia perpétua: Ensaios sobre o dever de felicidade 2002 .

Capra, F. A teia da vida. São Paulo: Cultrix, 1997.

Charter M. and Tischner U. , edited by (2001), Sustainable Solutions – Developing products and services for the future, Greenleaf publishing, UK, 2001.

Crema, R. Introdução à visão holistica. São Paulo: Summus, 1989.

Costa, R. A cultura digital. Publifolha, 2002


Costa, R. On a new community concept: social networks, personal communities, collective intelligence. Interface - Comunic., Saúde, Educ., v.9, n.17, p.235-48, mar/ago 2005.

D’Ambrósio. A ciência moderna em transição conceitual. In Brandão, M. S.; Crema, R. (org.) O novo paradígma holístico. São Paulo: Summus, 1991.

Deleuze, G. Empirisme et subjectivité. Paris: PUF, 1953.

Deleuze, G.; GUATTARI, F. Mille plateaux. Paris: Minuit, 1982.

European Commision. Looking behinf the figures - The main results of the Eurobarometer 2007 survey on youth. Belgium, 2007.

European Commision. Meeting of Sustainable Development of the European Union. Brussels: European Commission, 2009.

European Commision. UP TO Youth - Actor of Social Change. Findings of European Youth research. Abstracts of papers .Policy seminar organised in the context of the 6th framework programme of research on “Citizens and Governance”. Belgium 2009.

Freire, P. Educação como Prática da Liberdade. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 1967.

Freire, P. Pedagogia do Oprimido. 29a ed. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra , 1987.

Fukuyama, F. Confiança: as virtudes sociais e a criação da prosperidade. Rio de Janeiro: Rocco,
1996.


García, I. G. Promoción de la salud: una antologia. Revista Española de Salud Pública, Madrid, v. 71, n. 3, p.317-320, 1997.

Holanda, A. B. Novo dicionário da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986.

Hume, D. Traité de la nature humaine. Paris: Aubier, 1983.

Kolandai-Matchett, K. Improving News Media Communication of Sustainability and the Environment: An Exploration of Approaches, University of Canterbury publications. New Zealand, 2009.

Lévy, P. Cyberdemocratie. Paris: Odile Jacob, 2002.


Loureiro, V. R. A amazônia no século XXI - novas formas de desenvolvimento. São Paulo, Empório do Livro, 2009.

Manzini,E.; Vezzoli,C. O desenvolvimento de produtos sustentáveis: os requisitos ambientais dos produtos industriais. São Paulo: Editora da Universida- de de São Paulo, 2005.

Manzini, E.; Vezzoli, C. Design for environmental sustainability. London: Springer, 2008.

Manzini, E.; Vezzoli. C. Product-service systems and sustainability. Opportunities for Sustainable Solutions. UNEP, Division of Technology Industry and Economics, Production and Consumption Branch, Paris: United Nations Publications, 2002.

Manzini, Ezio (1996) Doors of Perception 4: Speed; http://museum. doorsofperception.com/doors/doors4/content.html, July 2003.

Manzini, Ezio (1997) Designing sustainability, Leapfrog: anticipations of a possible future, pp46-47; Map of sustainability paths, pp50-51, Domus, January 1997

Manzini, Ezio (2001) Ideas of well-being. Beyond the rebound effect. Context of life and regenerative solutions, pp76-81, in Towards Sustainable Product Design #6, Amsterdam, the Netherlands, October 2001, organised by the Centre for Sustainable Design, Surrey Institute of Art & Design, UK

Manzini, Ezio (2002) Doors of Perception 7: Flow; http://flow. doorsofperception.com/content/manzini_trans.html, July 2003.

Manzini, E., Jegou, F., Sustainable everyday. Scenarios of Urban Life, Edizioni Ambiente, Milano, 2003

Report of the Science in Society Session - Public Engagement in Science. European Commission. 2007.

Rheingold, H. Smart mobs: the next social revolution. Local: Perseus, 2002.

Rheingold, H. Comunidade virtual. Lisboa: Gradiva, 1996.


Rosen, G. Uma história da saúde pública. São Paulo: Hucitec-Unesp; Rio de Janeiro: Abrasco, 1994.

Schäfer, M.; Jaeger-Erben, M.; Santos, A

Trigueiro, A. Espiritismo e Ecologia / 2. ed. - Rio de Janeiro: Federação Espírita Brasileira, 2010.

Trindade, A. A. C. Direitos humanos e meio ambiente: paralelo dos sistemas de proteção internacional. Rio de janeiro: Sérgio Antônio Fabris, 1992

Vezzoli, C. System design for sustainability. Theory, methods and tools for a sustainable “satisfaction-system” design. Rimini: Maggioli Editore, 2007.

Wellman, B.; Berkowitz, S. D. Social structures: a network approach. New York: Cambridge University Press, 1988.

Westphal, M. F. O movimento cidades/municípios saudáveis: um compromisso com a qualidade de vida. Ciencia e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v.5, n.1, p. 39-51, 2000.

quinta-feira, 17 de junho de 2010

Seleção e Coleção de dados sobre Sustentabilidade

Foi dada a largada para a coleção de dados para o documento a ser apresentado na Kisd como conclusão do curso de mestrado "Integrated Design"

Visanto o semi-arido brasileiro, foi possível catalogar uma série de atividades realizadas por organizações sociais, que visam a melhoria da qualidade de vida de suas comunidades e povoados. Vale lembrar que esta região do Brasil ficou esquecida por muito tempo e agora é possível visualizar um avanço no comportamento dos cidadãos, evitando que esses locais cometam os mesmos "equívocos" de consumo das grandes cidades.

O primeiro grupo foco de pesquisa foram as sócias da Associação das produtoras Rurais Santa Rita de cássia, do Povoado de Ponta Baixa, Itiúba-BA. Um grupo que merece destaque por seu engajamento e organização além das conquistas alcançadas para a comunidade que vivia abaixo da linha de pobreza. (Mais da metade dos eleitores são analfabetos e sua renda mínima é menor que um salário mínimo por mês)

Foi desenvolvido um questionário para capturar algumas informações como participação ativa e comprometimento com a comunidade e a Associação, valores relacionados a consumo (estas questões foram baseadas na pesquisa desenvolvida no Brasil, especificamente em Curitiba, pela Prof. Dr. Martina Schäfer do Zentrum Technik und Gesellschaft der TU Berlin) buscando reconhecer perfis de consumidores sustentáveis e questões relacionadas ao cuidado com o meio ambiente.

O resultado desta pesquisa estará disponível em breve, assim como todo o aglomerado de ricas informações que foram unidas para justificar esta pesquisa.

segunda-feira, 19 de abril de 2010

Agua que você não vê!



enviado por Daniela Carvalho do Portal Planeta Sustentável

quinta-feira, 1 de abril de 2010

A Biblioteca Publica do Paraná necessita urgentemente de revitalização dos meios.

Parece que alguns anos atrás a biblioteca rumava a era digital acompanhando com elegância as novidades.
Apesar de cena rara, sai de casa com meu laptop no impeto de absorver mais caldo vital, e leia-se: seleção, apreciação, observação, reflexão das informações.

Conheci em Orleans na França, um local determinado "Mediatheque" onde multi vias se encontram para proporcionar o prazer pelo conhecimento.


Trata-se de uma biblioteca que com o apoio da prefeitura, otimizou o espaço e ofício de biblioteca pública, adicionando ao espaço arquivos de multi meios: video, audio e digital com acesso destinado a aqueles que apresentem seu documento de identidade ao sistema de dados do local.

Voltando a R. Cândido Lopes 133 - Centro, Curitiba PR admirei me ao perguntar no balcão de informações se a biblioteca dispunha de internet sem fio.

Então vai a sugestão para a ouvidoria:
suporte para quem quer usar laptop durante consulta na biblioteca publica do paraná.
areas publicas com pontos de elétricidade, onde sejam possiveis as recargas das maquinas.

E fica o desejo de um dia usufruir da internet sem fio & gratuita em areas públicas de grande concentração popular, além bibliotecas e faróis do saber.

Ao tentar compreender porquê o estado ainda não revitalizou e investiu nesta estrutura poderosa que é o incentivo a leitura e culturação, fui interrompida...

As 14:43 o sistema de som chama a atenção com uma versão suave de “singing in the rain” seguida por uma bela voz informando que a seção infantil convida para uma atividade.

Oh! um passo adiante, convidar é importante mas e divulgar? será que existe alguma divulgação extra salões de leitura? Já soube que já é possivel atualizar a locação dos livros através do site da biblioteca




O charme da leitura num dia de sol... ahhh intervalo do computador.

“Se o homem fosse puro animal, não teria culpa. Se o homem fosse espiritualizado, não seria culpado. Mas como o homem é potencialmente um ser espiritual, e atualmente apenas um ser intelectual, ele é culpado. Pois, quem pode, deve; e quem pode e deve e não faz, cria débito - e todo débito gera sofrimento" Rohden H. - Introdução ao pensar.


Doaçao gratuita de energia... pense nisso